sábado, 18 de agosto de 2012

191- Reflexões


Esse é número de projetos inscritos na Lei Muncipal de incentivo à Cultura da cidade de Itajaí.
Eram 10 as pessoas que estavam presentes na tarde de hoje no hotel Marambaia em reunião para discutir os rumos das Políticas Públicas Culturais da nossa cidade. Estas políticas que irão reger nossa Cultura nos os próximos 10 anos, compondo o Plano Municipal de Cultura que se alinhará ao Plano Nacional de Cultura da nossa nação.
Bom. Um momento tão importante tanto para os gestores públicos, artistas e produtores da nossa cidade, e somente 10 pessoas. As mesmas, diga-se de passagem. As mesmas caras que encontramos TODAS as reuniões, excetuando alguns, que por motivos de trabalho não puderam comparecer.
Bom, fica aí a pergunta de sempre. Onde estão estas outras 181 pessoas? Quais os reais interesses destes produtores culturais em relação aos rumos da nossa cultura? Será que somente se interessam quando seus projetos pessoais não são aprovados nos editais? Onde estão estes invisíveis seres que ressurgem das cinzas somente no momento de pegar o seu quinhão depois que, ALGUNS e BEM POUCOS, lutaram para que Leis, Editais, Convênios fossem redigidos, repensados e melhorados para que TODOS pudessem usufruir?
Ah, mas isso cansa! Estamos desiludidos! Ou, ah, eu nem fiquei sabendo! Cansa sim. Eu mesma sei disso, pois estou bem cansada. E junto a mim, aquelas 9 pessoas da foto estão cansadas também. Cansadas porque, além de trabalharmos arduamente todos os dias e muitos fins de semanas, ainda encontramos tempo e fôlego para pensar no coletivo, lugar no qual estamos inseridos como seres sociais. Tô cansada sim. E sinto esse cansaço no corpo, na mente, mas principalmente na minha alma de artista que se nega a aceitar que tudo está perdido, como muitos dos colegas artistas pensam. E é por isso que eu ainda saio da minha casa, no único fim de semana que teria para descansar, e passo a tarde inteira junto a colegas leais e fiéis à Cultura da nossa cidade, para abrir espaços de discussões e traçar metas que possam dar suporte aos artistas que ainda não abriram seus olhos para aquilo que é do interesse deles mesmos.
Isso também vale aos gestores públicos, que deveriam cumprir seus papéis aos quais se propuseram. Quando eu aceito um cargo público, seja lá qual ele for, eu devo honrar o dinheiro investido no salário que é pago pelos contribuintes, ou seja, pelo povo.
Não dá mais pra pensar que estamos impunes, que nada nos afetará. A lei de causa e efeito, ação e reação vai se impor algum dia na sua vida. Se você coloca sua mão no fogo, vai se queimar. Essa é a lei!

                                    Foto: Valéria de Oliveira [completando os 10 participantes ]

2 comentários:

Valéria de Oliveira disse...

AH MINHA AMIGA, QUE AFLIÇÃO ME DÁ ESSE DESCASO ... ESSE ETERNO OLHO NO PRóPPRIO UMBIGO. CHEGA DE AMADORISMO NA GESTÃO CULTURAL, CHEGA !!! ONDE ESTÃO OS 191 PRODUTORES CULTURAIS DESSA CIDADE ? ONDE ? ONDE ?

mauro camargo disse...

o caminho é longo e sem muitos pontos de parada e descanso. É um caminho árduo, de muitas lutas, poucas vitórias marcantes e derrotas. As poucas, quase sempre anônimas, clandestinas neste navio cultural que insistimos em ser tripulantes. E sobre as derrotas estes tantos acomodados costumam falar muito. Parabéns a vocês, os 10, que mesmo cansados, não desistem.